Internet das Coisas: como as empresas estão enxergando o futuro desse mercado.

Tempo de leitura: 4 minutos

Acesso a internet de qualquer coisa. Parece o futuro mas a Internet das Coisas (ou Internet of Things) já é realidade. Além de proporcionar uma melhor vida cotidiana para as pessoas, essa tecnologia já vem sendo amplamente explorada por empresas e fábricas, ampliando substancialmente o leque de possibilidades de mercado.

Entendendo melhor o conceito de Internet das Coisas.

Como próprio nome sugere, Internet das Coisas traz uma nova variedade de produtos com acesso a internet. Eletrodomésticos, vestuário, meio de transportes, fechaduras, alarmes, portas, janelas… Enfim internet em, literalmente, qualquer coisa.

Uma das formas possíveis se dá graças ao RFID. Este pequeno dispositivo é uma etiqueta que tem acesso a internet via rádio. Na maioria das vezes, ele a etiqueta só recebe o sinal, mas em alguns casos possui seu próprio transmissor de sinal de internet.

A comunicação do RFID se dá por um transponder (transmitter-responder), que é um dispositivo eletrônico de comunicação numa determinada frequência, que o torna responsável pela captação do sinal de internet via rádio.

Além do RFID, os próprios aparelhos contam com sua própria internet. Isso se dá graças a placas com microcontroladores, como por exemplo, o Arduíno.  O Arduino foi criado em 2005 por um grupo de 5 pesquisadores : Massimo Banzi, David Cuartielles, Tom Igoe, Gianluca Martino e David Mellis. O objetivo era elaborar um dispositivo que fosse ao mesmo tempo barato, funcional e fácil de programar, sendo dessa forma acessível a estudantes e projetistas amadores (Fonte).

Outro exemplo de dispositivo é o Raspberry Pi. O Raspberry Pi é um mini-microcomputador que, no exíguo espaço equivalente a um cartão de crédito, abriga processador, processador gráfico, slot para cartões de memória, interface USB, HDMI e seus respectivos controladores. Além disso, ele também apresenta memória RAM, entrada de energia e barramentos de expansão. Ainda que minúsculo, o Raspberry é um computador completo. (Fonte)

Alguns exemplos concretos do uso de Internet das Coisas.

Esses exemplos são fáceis de imaginar pois, hoje em dia, já existem uma série de produtos que possuem acesso a internet, como smart tv, smartphone.

Mas, com o desenvolvimento do RFID, qualquer coisa pode receber acesso a internet:

Smartrefrigerator.

As geladeiras inteligentes possuem acesso a internet e, com isso, trazem facilidades como acesso a aplicativos que estariam no celular.

Ouvir música, assistir vídeo, saber a previsão do tempo. Além disso, você pode acessar a receitas em tempo real, através da geladeira.

Smartshoes.

A Nike e a Apple desenvolveram em conjunto um sensor que capta todas as informações dos seus passos. 

Trajeto, distância, quantidade de calorias consumidas. Todas as informações ficam salvas, podendo fazer o comparativo entre elas e o compartilhamento também.

Smartcars.

A Ford, em parceria com a Intel, pretende remodelar o interior do veículo mobi para que esse se integre no modelo da Internet das Coisas.

No caso, o carro, com acesso a internet, poderá reconhecer suas rotas e gostos musicais e sugerir ao dono do veículo enquanto dirige.

Haverão também sensores que identificam a pessoa no banco do motorista.

Caso não seja o proprietário, o carro tirará a foto da pessoa e enviará ao dono em tempo real.

Smartlock.

São fechaduras inteligentes, que funcionam através do celular do usuário, podendo ser acessada através de gadgets.

Homekit.

Como pacote completo, a Apple desenvolveu sensores para serem instalados em vários objetos do lá, como lâmpadas, termostatos e cortinas.

Esses objetos podem ser acessado, via internet, através de gadgets nos aparelhos telefônicos – ligando, desligando e regulando através do aparelho.

Os maiores obstáculos para o desenvolvimento desse tipo de tecnologia.

A maior dificuldade no momento é a interação entre tecnologias de marcas diferentes, mas existem grandes empresas que já estão trabalhando em conjunto para superar essa dificuldade.

O custo de aquisição também é uma preocupação, pois esses produtos podem encarecer bastante o preço em relação aos produtos sem acesso a internet.

A segurança é outro fator. Garantir que nenhuma informação confidencial vaze é um dos desafios mais preocupantes para as empresas.

Mas, de todos os desafios, vai ser o controle do tráfego de informações.

Existe uma preocupação com esse fator, pois haverá uma bombardeamento de informações na web e as empresas que prestam esse tipo de serviço tem que estar preparadas para lidar com isso.

Gostou do conteúdo? Não deixe de seguir a uebile nas redes sociais, pois toda semana tem post novo aqui no blog com mais dicas para o seu impulso digital.